terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Quase aborto




Fotos de Walmick Campos

Sim, nasceu o filho bastardo de artistas ensandecidos por um novo modo de pensar e fazer o teatro. De tudo que o “Revoar” pode oferecer em dissipadas doses de uma energia incontrolável, o mais importante fica: a Dúvida - a mosca chata em cima da sopa, o dedo que cutuca o ombro alheio, o telefonema no último capítulo da novela, a pedra que não afunda, a água que não mata a sede - “Revoar” não subestima ninguém. “Revoar” é brasa em pés de criança. “Revoar” é o feto quase abortado, mas, como um miasma cancerígeno em ventre materno, sobreviveu para que a gestora sofresse até seus últimos dias. “Revoar” arde até não se sabe quando, “Revoar” me dói assustadoramente, mas eu o amo ilimitado.

Em breve nova temporada em 2010.

Danilo Castro
07.12.2010

13 comentários:

mano maya kosha disse...

se conseguir visualizar o imprevisível, esqueça, se conseguir voar plenamente, caia, almejar vai além do alcance da mão, conseguir, explode a vida pra recompor um novo coração ... palavras de inspiração fantástica a sua ...

Andrei Bessa disse...

Danilo, você é um poeta.... não daqueles que usa palavras difíceis, nem aqueles que usam metáforas inmagináveis ou porque escreve num porutugês incrível....

você é um tipo de poeta - se é que podemos classifica-los - numa categoria maior..... você é aqueles poetas que transformam em palavra tudo que nosso sentimenos nos causa.....

obrigado!

Thiago Ya'agob disse...

Castro,

Danilo Castro!

Amigo,

O vídeo clipe que me enviastes – Youtube – está muito bacana, assim como essas fotos postadas aqui. Quero ter a oportunidade de vê-lo interpretando ao vivo e a cores.

Meus votos são os mais sinceros e espero que o eco de sua voz alcance todas as regiões desse “brasilzão”. Oro para que isso de fato ocorra – pois sei que é possível, inda mais quando se tem um talento tão notório como o teu, Danilo.

Sinto saudades dos nossos diálogos clariceanos. Mas tenho ciência que a agitação da vida tem escasso boa parte do nosso tempo.

Sinta-se abraçado por mim através dessas singelas letras.

Shalom, Danilo.

Natalia Régia disse...

Dan ficou lindo
parabéns!!

moça disse...

ihihihi
boa apresentação, e com as fotos parece mais o trailer de um filme!
:D
quem sabe próximo ano eu tenha grana pra ir ver!
beijos!

Gilson disse...

Danilo

Que bom que a peça está indo bem. Vê se dá uma passadinha lá no Blog, vc anda bem sumido mesmo.

Abs

Canteiro Pessoal disse...

Danilo. Estou enamorada pelas fotos, especialmente, a imagem 2. Aleluia que a peça não foi abortada, pois não estaria contemplando imagens que escrevem com profundo sentimento, sem acirrar o sentido do mistério que é este universo teatral. É tão gostoso fixar meus olhos na foto 2, o sorriso delicioso que expressa meninice. Ato que desperta os mais nobres sentimentos 'infantis', a inocência. Esta leitura que percorre minha retina se torna agradável e dentro de um sentido que inspira mistérios, a ponto de fugir do espaço sideral para adentrar nos segredos do mar que pouco nos aventuramos para dirimir dúvidas sobre muitas questões.

Abraços.

Priscila Cáliga

Thiago Ya'agob disse...

DaniloOoOoOooOOo,

Lembrei de você quando li:

“Antes de morrer, Clarice Lispector fez sua ultima viagem ao Recife, para dar uma palestra na universidade. Ela insistiu em se hospedar no Hotel São Domingos, na esquina da praça Maciel Pinheiro, onde ficava o velho banco judaico. Passou horas na janela olhando para a pracinha onde crescera. Para a pequena Clarice, conforme ela lembrou numa entrevista, aquele jardinzinho, onde os motoristas de táxi flertavam com as empregadas domésticas, parecia uma floresta, um mundo onde ela escondera coisas que nunca mais conseguiu recuperar. Depois de todos aqueles anos, só a cor da casa tinha mudado:

Minha lembrança é a de olhar pela varanda da praça Maciel Pinheiro, em Recife, e ter medo de cair: achei tudo alto demais [...] Era pintada de cor-de-rosa. Uma cor acaba? Se desvanece no ar, meu Deus.

Um entrevistador perguntou: “Sabemos que você passou toda a sua infância aqui no Recife, mas o Recife continua existindo em Clarice Lispector?”

Ela respondeu: “Está todo vivo em mim”.

...

Hoje é aniversário de vida de Clarice, depois dê uma espiadela no meu blog. Postei algo legal sobre o nome verdadeiro da autora do conto Perdoando Deus.

PS.: Você conhece essa praça Maciel Pinheiro? É perto de onde você mora?

O Espelho de Eva disse...

Olha comercial é a alma do negócio e com um comercial tão apaixonado destes dá vontade de sair hoje mesmo de Itabuna e ir pra Fortaleza assirtir ao espetáculo.
Parabéns.

Canteiro Pessoal disse...

Danilo. Firmo em dizer... homem/jovem de cheiro bom. E acrescento, continues assim, pois são mesas assim que sempre volto e fico horas a fio. Passo para lhe deixar meu outro espaço. Acho que sou gulosa! [rs]

http://pcotaveira.blogspot.com

Abraços precioso.

Priscila Cáliga

Anônimo disse...

Walmick Campos disse...

mesmo mesmo...
texto lindo...
parabéns pelo espetáculo!!!
e q este filho dê muito orgulho
:P
12 de dezembro de 2009 11:12

Elton Rosa disse...

Muito massa seu texto, me estimulou a assistir! adorei essas fotos tbm, a arte é isso, libertadora! Nos evoca sonhos! É o lugar onde o impossivel, pode ser possivel!

Gilson disse...

Danilo

Continuo te seguindo e espero que um dia você se torne seguidor do Momentos Compartilhados. As pessoas que bloqueei eram pessoas que começaram a seguir e nunca apareceram. Gosto das pessoas que como tu, aparecem quando podem e são verdadeiras.

Um 2010 fantástico, cheio de tabalho para você e todos com muito sucesso.

Abs