terça-feira, 6 de março de 2012

Teatro da Praia ameaçado de fechar as portas

Desta vez, não é para rir. O Teatro da Praia, que abriga importantes figuras do humor cearense, passa por dificuldades financeiras e pode fechar as portas depois de 15 anos de história.


Danilo Castro - ESPECIAL PARA O POVO.
danilocastro@opovo.com.br 

Muita gente já caiu na gargalhada com os espetáculos do Teatro da Praia, na Praia de Iracema, mas hoje o dia não é para rir. No último domingo, 4, o ator Carri Costa, peça chave que alavancou o espaço desde a sua fundação, divulgou nas redes sociais que o lugar passa pela pior crise que já enfrentou até então. Implementado há 19 anos, o galpão aos poucos foi tomando as formas de um teatro tradicional: palco, plateia, cortinas, cabine técnica, camarins. Sem perder o bom humor, atualmente o ator está “pedindo penico” para não deixar o espaço morrer.

Em 1996, houve a inauguração oficial e, entre risos e lágrimas, o teatro construiu sua jornada diante dos desafios que encontrou pela frente. O espaço é privado, alugado pela Cia. Cearense de Molecagem, mas é aberto ao público com programação semanal. “Um teatro na vida da cidade dura o tempo da cena de um sonhador?”, questiona-se o ator em nota. O lugar atualmente não possui apoio municipal ou estadual, nem patrocinadores, e se mantém apenas com o pouco apurado da bilheteria e cachês de apresentações da companhia.

Carri conta que já inscreveu o teatro em editais de manutenção, pediu apoio à Prefeitura e ao Governo, pois acredita que “é economicamente inviável construir política cultural sozinho”, mas não obteve resultados positivos. “As pessoas acham que, porque a gente tem esse espaço há muito tempo, vivemos bem”, argumenta. Carri explica que o crescimento das boates e bares no entorno, em vez de popularizarem a região, estão desviando a atenção e concentrando o público. Além disso, há riscos de o teatro perder o espaço para outros empreendimentos. “A especulação imobiliária vai empurrar a gente daqui”, constata. Outro fator para o afastamento dos espectadores, segundo ele, é a insegurança.

Entre dívidas de água, luz e IPTU, o ator crê que pode mesmo ser o fim de um sonho. Para ele, as gestões municipais e estaduais não reconhecem o espaço como um lugar de fomento à cultura. As despesas mensais giram em torno de R$ 7 mil. “É baratíssimo, mas está difícil. Refletor de teatro tem uma potência gigantesca. De luz, é R$ 2 mil a mensalidade. Uma vez a luz foi cortada e eu tinha espetáculo naquele dia”, lembra.

Desde 2005, a Secretaria da Cultura do Estado (Secult) criou o Sistema Estadual de Teatros (SET), através da Lei 13.604, com o objetivo de fomentar os teatros públicos e privados do Ceará, propondo formas de gerar de recursos e financiamento. Entretanto, segundo Carri Costa, a lei não é aplicada. O POVO entrou em contato com a Secult para saber detalhes, mas até o fechamento da matéria não obteve resposta. No site da secretaria, porém, consta que o último fórum do SET aconteceu em janeiro de 2010, em Limoeiro do Norte.

Saiba mais 

O Teatro São José, na Praia de Iracema, foi comprado pela Prefeitura em julho de 2011. A Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor) informou que pretende restaurar o espaço e construir um anexo para um futuro teatro-escola. O projeto está em licitação, mas não há prazo fechado. O Teatro Antonieta Noronha, também na Praia de Iracema e de responsabilidade do município, estava fechado devido a problemas na estrutura há mais de três anos, mas, segundo a Secultfor, até o final de março será reaberto.

Serviço 

Reunião aberta para discutir a situação do Teatro da Praia
Onde: Teatro da Praia (rua José Avelino, 662 – Praia de Iracema). 
Quando: hoje, 6, às 19h30min.
Outras info.: (85) 3219 9493 ou www.teatrodapraia.com.br
O teatro está recebendo doações em nome da Associação dos Produtores Teatrais do Ceará. CNPJ - 05.461.443./0001-01. Banco Bradesco. Ag: 0643-2 – CC: 003209-3.

Fonte: Vida & Arte - Jornal O POVO (06/03/2012)

Um comentário:

Carri Costa disse...

Brigadão pela matéria no Jornal, clareza de pensamento, gentileza, discernimento, visão cultural e artística colocada de maneira clara, sutil e firme. Agradeço eu e a história do TEATRO DA PRAIA.