segunda-feira, 16 de abril de 2012

Para além do mercadológico

Não foram poucas as vezes em que ouvi críticas vorazes aos musicais devido ao seu caráter encantador e mercadológico. “É teatro feito só para ganhar dinheiro”, “É entretenimento alienante” e tantos outros comentários de mesmo gênero. Ao assistir A Família Addams, que está em cartaz no Teatro Abril, em São Paulo, pensei: reduzir a cultura dos musicais à uma banalidade cênico-ludibriosa é ser tão preconceituoso quanto os que aferroam, sem conhecimento maior, o teatro com caráter alternativo, político, panfletário, didático, físico, épico, naturalista, contemporâneo, pós-dramático ou qualquer outro com ou sem classificação prévia. 

Sim, em sua grande maioria, os musicais brasileiros são cópias fiéis de versões americanas. Sim, são obras fechadas, possuem enredo amarrado, dramático, com a clássica estrutura apresentação-problemática-clímax-desenlace.  Sim, são tramas empolgantes, que normalmente terminam com belos finais felizes. No entanto, não se pode negar o refinamento estético dos trabalhos, o virtuosismo de artistas que cantam tão bem quanto dançam ou atuam. São obras milimetricamente elaboradas e, mesmo sendo reproduções à la Broadway, possuem identidade, como pude conferir o caráter abrasileirado dos Addams paulistas, que são os primeiros fora dos Estados Unidos.

Os personagens foram criados em 1933 pelo cartunista americano Charles Addams. Daniel Boaventura (Gomez) e Marisa Orth (Morticia) comandam a família às avessas, que graceja com aquilo que seria completamente sombrio: o terror, a morte, a tortura, o medo. Crianças do mundo inteiro puderam aos poucos desmistificar temas intocáveis e rir de situações bizarras vivenciadas pela família. Marshall Brinckman e Rick Elice utilizaram o mote para criar a trama, que tem música e letras de Andrew Lippa sob a versão brasileira de Claudio Botelho. É uma produção milionária, com arrecadamento grandioso, mas,  antes de soltar o verbo, imagine que bom seria se conseguíssemos patrocínios privados equivalentes para bancar nossos trabalhos e pagar devidamente os profissionais envolvidos. Em Fortaleza, quase sempre só é possível pagar bem um artista quando a produção vence algum edital. Lucro com bilheteria ou investimentos privados ainda são realidades distantes.

O musical conta a história do amor que Wandinha (Laura Lobo) sente por um garoto “normal”. Ela tenta então mudar o comportamento da família para que todos se enquadrem dentro dos padrões aceitáveis para a sociedade, pois só assim poderá casar-se com o rapaz. Após muitas peripécias, ela descobre que é bem melhor ter identidade, ser verdadeira, do que se emplastificar noutros dogmas. Diante das diferenças, as famílias se completam. O conceito do que é ser bom ou mau é posto em jogo. Há aí uma discussão válida para ser pautada com crianças ou é pura alienação de mercado?

Danilo Castro
16/04/2012 

Assista a gravação do número de abertura do musical A Família Addams:



Serviço] O espetáculo encontra-se em Cartaz no Teatro Abril, em São Paulo, às quintas, sextas, sábados e domingos. Os ingressos variam entre R$40 e R$ 250.

Saiba mais] Em Fortaleza, o grupo Ás de Teatro aos poucos se consolida, construindo adaptações cearenses de musicais da Broadway. Eles já montaram Mix BroadwayVocê não Consegue Parar!Companhia e, mais recentemente, Audições Abertas - O Musical. Ainda que seja um grupo jovem com atores muitas vezes recém-estreados, e, como tantos outros grupos cearenses, não possua investimento para suas produções, o coletivo consegue trazer bons trabalhos aos palcos. As próximas apresentações  estão marcadas para 28 e 29 de abril, às 19h, no Teatro Marista. Dia 19 de abril, no Theatro José de Alencar, às 19h. Nos dias 12, 13, 19, 20, 25 e 26 de maio e 2, 3, 9 e 10 de junho no Teatro Sesc Emiliano Queiroz. R$ 20 e R$ 10. Informações: (85) 9682.9339.

2 comentários:

Pedro Guimarães disse...

que ótimo! fiquei com vontade de saber mais sobre a "brasilidade" nesses Adams

Wânyffer Monteiro disse...

Todo tipo de arte é válida. Inclusive o que tu escreve, jornalista xD