domingo, 24 de junho de 2012

Brincando de fazer releituras

No trabalho de Alexandre Mury, a fotografia não é apenas a reprodução de uma obra clássica 

Danilo Castro - ESPECIAL PARA O POVO

Há uma identidade impressa nas suas fotos, tanto porque ele se coloca como peça fundamental nas composições que propõe, quanto porque ele encontra novas maneiras de ressignificar os quadros com objetos do cotidiano. “Quando eu me uso como performance, o quadro ganha outro sentido, outra conotação, outro contexto”, comenta ele, que constrói seus trabalhos com toques de ironia, bom humor e criatividade. Suas obras já foram expostas em diversas galerias no Rio de Janeiro, São Paulo, Espirito Santo e em Barcelona, na Espanha.

Formado em publicidade, o fotógrafo fluminense percebeu que sua arte só se tornaria singular se ele passasse a buscar inspiração em outras obras imagéticas, em vez de partir do zero. “Antes era uma experimentação. Com a releitura, comecei a inovar, a me realizar com a arte, a ter originalidade”, constata. Apesar de já ter sido censurado pelo Facebook e pelo Google + devido à nudez em alguns trabalhos, ele rebate. “Minha nudez não é com a genitália exposta, mas ainda assim pra alguns países é chocante. Como essas redes sociais atingem escala global, fui censurado, mas a intenção não é escandalizar, é fazer disso um convite à reflexão”, finaliza.












Fonte: Vida & Arte - Jornal O POVO (24/06/2012)

Nenhum comentário: