sexta-feira, 1 de junho de 2012

Porque ninguém é um só

Em paralelo ao trabalho no Grupo Bagaceira, Yuri Yamamoto e Rafael Martins reencontram ex-integrantes da companhia para apresentar o inusitado convívio de irmãs siamesas. O espetáculo Uma de Duas - A Vida Comum de Lucylady estreia amanhã no Sesc Senac Iracema














Danilo Castro - ESPECIAL PARA O POVO

Por trás de todas as máscaras, existem outras pessoas dentro de uma só. Quem rege como alguém vai agir é a situação. Por mais lúcido que um ser humano seja, aqui acolá ele encontra seus momentos de loucura. Por mais pacífico que ele se mostre, haverá momentos em que a revolta o terá tomado conta. Diante dessas múltiplas possibilidades da alma, o espetáculo Uma de Duas – a Vida Comum de Lucylady apresenta os conflitos de irmãs siamesas, diferentes, mas que acabam sendo igual a qualquer um.

A estreia do espetáculo é amanhã, no Teatro Sesc Senac Iracema. São medos, desejos, anseios e sonhos compartilhados por duas mulheres que são uma só. A trama conta a história de irmãs xifópagas, termo científico para gêmeos siameses. Apesar da diferença física em relação às pessoas “normais”, elas são personagens da vida cotidiana. Entendem e se desentendem diante dos conflitos da vida. “É uma pessoa que aparentemente é incomum, mas é comum. Nós todos temos nossos conflitos com nós mesmos. Somos divididos”, diz Yuri Yamamoto, diretor do espetáculo.

Yuri conta que o trabalho segue uma linha que pende para o cômico, mas sem cair em um superficialismo bobo. Para trazer esse humor leve e ao mesmo tempo sarcástico, as imagens cênicas foram inspiradas em desenhos animados e o texto de Rafael Martins foi construído em processo. “Ele foi trazendo o texto aos poucos. Foram pequenos esquetes que foram encaixados até formar o texto todo”, conta Yuri, que ressalta o universo dos desenhos como um território mais livre, que permite situações fantásticas.

Dentro dessa ideia que brinca com os absurdos característicos dos desenhos animados, o ator e diretor Ricardo Guilherme foi convidado para preencher o espetáculo com uma narração que intervém na história através de offs. “Cinema de animação geralmente tem narrador, uma voz que fomenta a situação. Tá sendo muito boa a intervenção do Ricardo, a voz dele dá outra dimensão ao espetáculo”, revela o diretor.

Colaboração

O grupo é composto por diversos artistas cearenses que trabalharam colaborativamente. Todos acabam sendo co-autores e co-diretores da obra. Alguns deles são do Bagaceira de Teatro, como o diretor e o autor. Já Christiane de Lavor e Ricardo Tabosa, que compõem o elenco, não fazem mais parte do grupo. “Não é um espetáculo do Bagaceira, às vezes até confunde”, revela a atriz. O trabalho é fruto de um projeto maior chamado Sensorial, onde o coletivo foi estudando as diversas formas de ser diferente. “As pessoas que foram do grupo ainda tem uma relação muito forte com a gente”, revela Yuri. 

Após um ano de processo, com intermediações de profissionais da dança como Fauller, Andréa Bardawil e Possidônio Montenegro, responsáveis pela preparação corporal dos atores, Christiane e Ricardo foram descobrindo como ser um só. Eles vivem as personagens Lucylady, um corpo com duas cabeças. “É muito difícil, como a gente tem corpos diferentes, e a gente teve que se sentir bem pra trabalhar”, revela. “Os braços tem que ter sincronia pra dar o efeito de braços de um corpo só, caminhar também foi difícil”, frisa o diretor.

O espetáculo foi contemplado no VII Edital Prêmio de Incentivo às Artes, da Secult, e no Programa Cultural das Empresas Eletrobras 2011. Dentro das dubiedades da vida cotidiana das protagonistas, o trabalho pretende fomentar a discussão das diferenças entre as pessoas, levantando paralelamente que sempre existe mais de um em qualquer ser humano. “Todos nós temos o nosso duplo. Quem não é assim? Somos luz e sombra. A gente tem um lado bom e um lado ruim, o ser humano é complexo mesmo, é dúbio”, conclui a atriz.

SERVIÇO

Uma de duas – a vida comum de Lucylady
O quê: Peça de Rafael Martins com Christiane de Lavor e Ricardo Tabosa no elenco e direção de Yuri Yamamoto.
Quando: Sábados e domingos de junho e julho às 20h.
Onde: Teatro Sesc Senac Iracema (Rua Boris, 90c – Praia de Iracema)
Quanto: R$ 12 (inteira) R$ 6 (meia)
Outras informações: 8652 8469


Nenhum comentário: