quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Desfrutando as reminiscências da vida

De volta ao berço, Emiliano Queiroz estreia Na Sobremesa da Vida, comemorando 60 anos de carreira. É a primeira vez que ele atua no teatro que carrega seu nome


















Danilo Castro - ESPECIAL PARA OPOVO

Após o almoço, surge a expectativa pela sobremesa. “Pode ser uma ambrosia, um licor, um biscoitinho ou até um pote de sorvete”, depois é só desfrutar. Essas são apenas algumas das preferências açucaradas de Emiliano Queiroz, que volta aos palcos depois de oito anos afastado do teatro. O ator comemora 60 anos de carreira com o espetáculo Na Sobremesa da Vida, que tem estreia nacional hoje e segue até domingo com apresentações gratuitas no teatro que recebe seu nome.

Há doze anos, o Serviço Social do Comércio (Sesc) inaugurou o Teatro Emiliano Queiroz. Hoje é a primeira vez que o ator sobe no palco do seu teatro para fazer aquilo que mais sabe fazer: atuar. “Não aconteceu antes porque eu quero que o teatro sirva para os atores da terra se apresentarem, não pra mim”, justifica. O espetáculo é uma celebração. O ator rememora os percalços que enfrentou durante a carreira desde quando saiu destemido do Aracati, ainda rapazote, querendo estudar teatro no Rio de Janeiro. “Eu dizia pra minha mãe: por que eu nasci aqui? Queria ter nascido em Hollywood”, lembra-se sem conter gargalhada.

A última vez que esteve em cena nos palcos foi ao lado de Renata Sorrah, no espetáculo Medéia, dirigido por Bia Lessa, em 2004. De lá para cá, ficou impossível fazer teatro, os convites para filmes e séries de TV até hoje não param de aparecer e tomam boa parte do seu tempo. Tanto, que nos próximos meses ele estreia em três filmes e grava alguns capítulos do remake da novela Guerra dos Sexos, da Globo. “Era tanto trabalho com cinema e televisão que eu não podia pensar em teatro. Dessa vez, eu coloquei o palco como prioridade”, garantiu.

O espetáculo surgiu da biografia homônima do ator, escrita em 2007 por Maria Letícia, sua esposa. Ela também dirigiu um documentário sobre a vida do marido para a série Retratos Brasileiros, do Canal Brasil e, em seguida, adaptou o livro para a peça. “Emiliano tem tudo, só falta uma estátua”, brinca ela. Agora, vida e arte se confundem nos palcos. Emiliano narra a própria história em fragmentos dinâmicos dirigidos por Ernesto Piccolo. O trabalho conta com inserções audiovisuais e um off de Chico Buarque gravado especialmente para o espetáculo.

Momentos fortes como quando embarcou cheio de sonhos em um pau de arara em direção ao Sul ou quando foi torturado pela ditadura após a encenação de Navalha na Carne, de Plínio Marcos, estão no espetáculo. Com suas reminiscências, ele se reencontrou. Agora, aos 76 anos e com algumas limitações físicas naturais da idade, Emiliano deseja apenas desfrutar tudo o que conquistou. “Agora eu posso saborear a vida sem criar expectativa do que vem depois. Nessa fase, a gente se liberta de muita coisa. Liberdade a gente conquista com a idade”, finaliza.

Saiba mais

Em uma entrevista feita por Ricardo Guilherme, em 2010, Emiliano Queiroz rememorou os grandes personagens de sua carreira. Foi então que começou a cultivar a ideia de fazer um espetáculo sobre sua própria vida. De Fortaleza, o espetáculo segue para temporadas na capital carioca e já está sendo especulado para apresentações em Portugal.

Ao lado dos amores

Nos bastidores, a esposa esteve sempre presente, construindo a dramaturgia durante o processo de montagem, mas é modesta. “Foi praticamente ele quem escreveu a peça. Fui dramatizando o que ele escolhia”. Emiliano atua ao lado do cearense Antônio dos Santos, da premiada atriz Ivone Hoffman – que já foi sua namorada noutros tempos – e da neta Ana Queiroz, 19, que está no terceiro semestre da Casa de Artes de Laranjeiras (CAL), no Rio de Janeiro. “Esse espetáculo é um presente que me dou, por isso chamei as pessoas que eu amo”, frisa o ator.

Antônio conheceu Emiliano em 1990, quando atuaram juntos em O Homem e o Cavalo, de Oswald de Andrade, com direção de Milton Dobbin. Ele também saiu do Ceará aos 22 anos ao lado do ator Tadeu Melo, vislumbrando a carreira no Rio. As histórias são de gerações diferentes, mas bastante parecidas. Hoje são mais de duas décadas de amizade. “Emiliano me apadrinhou, estamos sempre juntos”, diz Antônio.

A carioca Ana Queiroz está em Fortaleza pela primeira vez. No espetáculo, ela tem oito personagens. Amanhã, a jovem atriz comemora aniversário em cena. “Eu me sinto lisonjeada em poder atuar com uma pessoa com tanto prestígio. É um aprendizado o tempo inteiro. É incrível poder contracenar com a pessoa que me ensinou parte do que eu sei. Ele me influencia muito”, rasga a seda. (Danilo Castro)

SERVIÇO 

Na Sobremesa da Vida, com Emiliano Queiroz
Onde: Teatro Sesc Emiliano Queiroz (avenida Duque de Caxias, 1701 – Centro) 
Quando: Hoje (para convidados), e dias 10, 11 e 12 (acesso livre) às 20 horas.
Entrada franca. As senhas devem ser adquiridos a partir de 17 horas, na bilheteria do teatro. Cada pessoa pode pegar até duas entradas no dia da apresentação. 
Outras informações: 3452 9060


Bastidores] À beira-mar de Fortaleza, o papo começou com suas lembranças de quando brincava nas areias da praia antes mesmo do asfalto e do calçadão. Entrevistar Emiliano Queiroz pareceu até uma prosa boa de calçada entre amigos.


2 comentários:

Thiago Cavalcante disse...

Que bacana, Danilo. Li sua matéria e fui procurar mais informaões acerca de Emiliano e descobri que o cara tem uma vasta produção ao longo dos anos. No filme Casa de Areia (dirigido por Andrucha Waddington; com as duas Fernandas: Torres e Montenegro) Emiliano tem participação por lá, bem como na minessérie Hoje é dia de Maria (ao lado de Juliana Carneiro da Cunha) e por ai vai... ^^

Danilo Castro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.