sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Tudo era apenas uma brincadeira

Os amigos Chico César e Dani Black se apresentam no Teatro da Caixa Cultural com uma releitura do primeiro álbum do paraibano


Danilo Castro - ESPECIAL PARA O POVO

Em meados de 1980, quando Chico César saiu de Catolé, na Paraíba, para tentar carreira em São Paulo, a cantora Tetê Espíndola e o compositor Arnaldo Black o acolheram. O casal, quando precisava sair para trabalhar ou para alguma atividade fora da rotina, deixava os filhos sob os cuidados de Chico. Assim, ele conheceu o menino Dani Black, que tinha apenas sete anos. O garoto, agora já crescido, regravou o disco Aos Vivos (1995), primeiro sucesso do paraibano. Dani e Chico se consideram praticamente da mesma família e apresentam de hoje até domingo suas músicas e intimidades no Teatro da Caixa Cultural.

O show é uma retomada do álbum lançado em 1995, mas com algumas diferenças. Na nova versão, lançada em CD, vinil e DVD, o título ressurge com uma palavra a mais: Aos Vivos, agora!, que pode ser interpretado de qualquer forma de acordo com “a morte iminente ou vida toda pela frente” de cada um, segundo o próprio Chico. Esse trabalho é intimista, uma mistura de afetos entre entes quase de sangue. “É a banda de um homem só e seu melhor amigo, o Dani Black, de quem fui baby siter”, revela.

As brincadeiras musicadas que preenchiam o tempo ocioso da infância de Dani Black já eram um preparo, um ensaio feito sem esforço. São apenas 24 anos, mas o músico paulista já teve quatro composições gravadas por Maria Gadú e lançou esse ano seu primeiro disco com participações de artistas como Ney Matogrosso, Djavan, Zélia Duncan e claro, o padrinho musical Chico César. “Minha história com Chico é excêntrica. Ele estava chegando em São Paulo e conheceu minha mãe. Quando ela precisava sair, ele cuidava de mim. A brincadeira era tocar o disco dele. É maravilhoso tocar o repertório que eu conheci brincando em casa”.

De tão pequenino, Dani não podia ir aos shows de Chico, mas ele tinha algo bem melhor: apresentações particulares. A música do paraibano ficava rondando a cachola do menino mesmo quando Chico ia embora. “Dani ficava encucado com algumas letras e pedia para a mãe dele me ligar perguntando o significado de algumas coisas. Eu o convidei porque ele cresceu tocando essas músicas e tornou-se um grande músico e compositor. Achei que tinha tudo a ver com ele”, atesta.

Releituras sonoras

O som de Dani Black tem uma pegada no rock de metrópole e as influências do músico reverberaram no novo disco de Chico. Foi justamente aí que o álbum ganhou sua singularidade. “Ele me deu total liberdade e me aprimorei como guitarrista. Lenine e Lanny Gordin – músicos do álbum original – estão em mim. Trabalhei com minhas referências sem perder a referência deles. Fiquei super à vontade”, confessa. Dani revela que a cada show, há novos sons sendo descobertos, havendo também espaço para o improviso. “Tá muito dinâmico, é muito doido ter essa liberdade, poder olhar olho no olho com Chico”, disse.

Os caminhos e influências diferentes tornaram a nova versão do disco cheia da identidade dos dois músicos que hoje se reencontram, mas profissionalmente. “Meu som também tem uma pegada rock rural ou jipe. O Dani talvez tenha uma pegada de rock urbano. A música brasileira se alimenta e se influencia o tempo todo. O Dani faz lindas melodias, inclusive quando improvisa. Tem tudo a ver com o meu trabalho”, garante.

O cantor veterano divide suas atividades de secretário de cultura da Paraíba e de artista. Com mais ocupações, a produção criativa acaba diminuindo, mas a experiência vem valendo a pena. “Quando a agenda de artista invade a do secretário, peço licença sem vencimentos. A criação, obviamente, diminui, mas os shows viram celebração com o público”. Então chegou a vez de Fortaleza se reencontrar com Chico e celebrar aos vivos, agora!

SERVIÇO

Show Aos Vivos, agora!
Quando: hoje e amanhã, às 20 horas; domingo, às 19 horas
Onde: Teatro da Caixa Cultural (avenida Pessoa Anta, 287 - Praia de Iracema)
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Os ingressos serão vendidos a partir de 12h de cada dia do show. Só será possível comprar para a data da apresentação.
Outras informações: 3453 2750

Nenhum comentário: