domingo, 15 de dezembro de 2013

Revitalização e formação

O JORNALISTA Danilo Castro aponta os cinco principais fatos e ações no campo da cultura e das artes ao longo de 2013. Entre os projetos citados, a revitalização do Estoril e as ações de formação e experimentação do Porto Iracema

Danilo Castro é ator, graduado em Artes Cênicas (IFCE) e jornalista (UFC). Foi colunista de teatro do O POVO e, atualmente, é consultor de comunicação da Secretaria Nacional de Juventude (SNJ). 

1. ESTORIL: revitalização

No início do ano, uma polêmica em torno do Estoril, prédio histórico situado na Praia de Iracema. O equipamento, de responsabilidade da Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secult-CE), havia sido cedido para uma empresa no fim de 2012. Em fevereiro, fruto da pressão do Movimento Arte e Resistência (MAR), encabeçado por diversos artistas e população civil, surgiu a campanha “O Estoril Também É Meu”, reivindicando a não-privatização do espaço. Deu certo. Por mais que hoje ainda não haja um projeto público consolidado para o espaço, diversas ações culturais voltaram a acontecer no lugar.

2. DRAGÃO DO MAR: novas políticas

No fim de 2012, os editais do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC) foram anulados após uma série de reivindicações dos movimentos artísticos em relação aos baixos cachês. Depois do processo de diálogo, surgiu, em janeiro deste ano, um novo edital das artes que triplicava os valores pagos. Com três meses de atraso, o resultado dos aprovados foi divulgado. Somente em outubro, os aprovados de 2013 foram convocados para compor a programação, que se estenderá ao longo de 2014. Apesar dos atrasos, das reformas demoradas, o CDMAC aos poucos vem se reestabelecendo nas ações culturais e formativas, a exemplo da escola Porto Iracema das Artes.


3. TEATRO UNIVERSITÁRIO: cena aquecida

Espetáculo Engarrafada,
apresentado no TU em 2013
O Teatro Universitário Paschoal Carlos Magno é um equipamento da Universidade Federal do Ceará, construído em 1964. Abrigou o Curso de Arte Dramática (CAD) nas décadas de 1960 até os anos 2000. Nos últimos anos, o espaço, de relevância para a memória do fazer cênico cearense, esteve praticamente abandonado. A partir de 2011, o grupo cearense Pavilhão da Magnólia ocupou o prédio e desde então vem dando uma nova cara para o lugar. Em 2013, o “boom” foi maior. Devido à pressão do grupo com a campanha “Te amamos reforma!” e à demanda inegável de pautas na cidade – que ainda carece de espaços para apresentação -, houve uma pequena reforma que trocou piso e cadeiras, além de nova pintura e ajustes na parte técnica.

4. BR TRANS: espetáculo

BR Trans é o nome do projeto que resultou no espetáculo homônimo do grupo cearense As Travestidas. O mais novo solo do ator e diretor Silvero Pereira, dirigido pela gaúcha Jezebel De Carli, estreou no primeiro semestre deste ano e foi construído a partir das histórias de vida de travestis do Ceará e do Rio Grande do Sul, onde o artista morou nos últimos tempos para executar o seu projeto contemplado pela Funarte. O trabalho se mostra um dos mais consistentes e diferentes dentre as obras da estética transformista de Silvero. 


5. FESTIVAL DE TEATRO DE FORTALEZA: problemas

Espetáculo O Jardim, apresentado
no Festival de Teatro de Fortaleza
O IX Festival de Teatro de Fortaleza, que aconteceu em novembro, investiu R$ 1 milhão, 150% a mais que no ano anterior, segundo a Secultfor. Além disso, parte das demandas do movimento teatral organizado foi contemplada. Em especial, o investimento em ações formativas nos espaços independentes geridos pelos grupos de teatro da Capital. Entretanto, não foram poucas as reclamações sobre a falta de organização do evento, precariedade no tratamento com os participantes, carência de ações básicas de produção e divulgação - e até da falta de alimentação para os envolvidos.








Leia a matéria completa com os destaques da jornalista Janaína Marques. Fonte: Jornal O Povo (Caderno Vida & Arte - 15/12/2013)

Nenhum comentário: