sexta-feira, 18 de julho de 2014

Quem disse que teatro não é coisa para bebês?

Atrizes do espetáculo CucO, da Cia. Caixa do Elefante, de Forto Alegre (RS)

Imagine entrar em uma sala de espetáculo onde tudo é pensado para bebês e crianças de 6 meses a 6 anos de idade. Todos em silêncio, descalços, nada mais do que 30 adultos e 30 crianças na arena. Celulares desligados. Fotos são estritamente proibidas. É aí que começa uma nova forma de pensar as artes cênicas voltadas para os infantes.

Atraídos pelo sensorial, os bebês ficam completamente livres para invadirem a cena e vivenciarem a experiência teatral sem a noção entre ficção e realidade. As crianças maiores são fisgadas pelo enredo, os menores pela ludicidade e poesia que preenchem todos os sentidos. Os pais se surpreendem com as reações inesperadas dos seus filhos e os choros são praticamente inexistentes.

O Teatro para Bebês já é um estilo pesquisado em várias partes do mundo. Desde 2006, grupos estão difundindo a linguagem no Brasil. Esse é um jeito de pensar o teatro por inteiro, onde a cena se torna um ritual com cheiros, sons, cores e texturas partilhados com toda a intensidade e entrega dos bebês e crianças.

A portuguesa Liliana Rosa foi a responsável por abrasileirar esse tipo de teatro praticado em vários países, inclusive com festivais teatrais específicos para o segmento. Os estímulos da primeira infância são o ponto de partida e os atores precisam estar em inteira sintonia com as crianças para dialogar por meio dos códigos propostos pelos bebês, que se tornam os grandes protagonistas da cena.

A Cia. Caixa do Elefante, de Porto Alegre (RS), vem pesquisando o teatro para bebês. O espetáculo "Cuco" é um exemplo metateatral. Um teatro que investiga o próprio teatro, redescobrindo-se através da linguagem dos bebês. Em Fortaleza, alguns grupos de teatro infantil já começam a pesquisar o tema. Quem sabe daqui a pouco é a vez dos bebês cearenses subirem nos palcos e se tornarem artistas.

Texto publicado na Coluna Culturando do Serviço Social do Comércio (Sesc). 03/07/2014

Nenhum comentário: